sexta-feira, 28 de abril de 2017

ressuscitar


"O verbo “ressuscitar” quer dizer: 
ficar de pé, 
levantar-se. 
Levantemo-nos! 
Este é o levantamento mais fácil, 
mas há um profundo dentro de nós, 
esse é o verbo “ressuscitar”. 
Podemo-nos sentar. 
Para compreender a ressurreição 
é preciso fazer um caminho."
​ 
[P. Tolentino Mendonça]


sábado, 22 de abril de 2017

Páscoa é lua cheia, inconsútil, inteira,
Sementeira de luz na nossa eira.
Deixa-a viver, crescer, iluminar.
Afaga-lhe a voz e o olhar.

Não lhe metas pás, não lhe deites cal.
Não lhe faças mal.
Não são notas enlatadas, brasas apagadas.

É música nova, lume vivo e integral.
Não é paragem, mas passagem,
Aragem a ferver e a gravar em ponto Cruz
A mensagem que arde no coração dos dois de Emaús.
A Páscoa é Jesus.

D. António Couto


domingo, 26 de março de 2017

Aqui parada...


Vai adiantado o tempo da Quaresma,
E eu continuo ainda aqui parado
Nesta página em branco da calçada.

Sei bem que foste tu que me puseste em movimento,
Que teceste o meu ser,
Que me deste a vida e de comer,
Que me acolheste e me acolhes sempre em tua casa.

Como é que estou então aqui parado na berma desta estrada,
Pensando que fui eu que me pus no ser,
Que sou dono de mim,
Que esta vida é minha,
Minha é esta casa, este pedaço de chão,
Este naco de pão
E até este coração?

Não fiques aí parado, meu irmão.
Ergue-te e vai pelos nós do vento,
Chegarás por certo à pátria do Espírito,
Submisso ao sopro obsessivo do silêncio.

Olha com mais atenção
O chão que sonhas,
O céu que lavras.
Recomeça!
Conquista o espaço
Onde a palavra cresça
Longe do ruído das palavras!

António Couto




sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

ADORA E CONFIA


Não te inquietes pelas dificuldades da vida, pelos seus altos e baixos.
Pelas suas decepções, pelo seu futuro mais ou menos sombrio.

Quer o que Deus quiser.

Oferece-lhe no meio de inquietudes e dificuldades o sacrifício da tua alma simples que, apesar de tudo, aceita os desígnios da sua providência.

Pouco importa que te consideres um frustrado, se Deus te considera plenamente realizado; a seu gosto.

Perde-te confiado cegamente nesse Deus que te quer para si. E que chegará até ti, embora nunca o vejas.

Pensa que estás nas suas mãos, tanto mais fortemente acolhido, quanto mais diminuído e triste te encontres.

Vive feliz. To suplico. Vive em paz. Que nada te altere. Que nada seja capaz de tirar a tua paz. Nem a fadiga psíquica. Nem as tuas falsas morais.

Faz que brote, e conserva sempre sobre o teu rosto um doce sorriso, reflexo do que o Senhor continuamente te dirige.

E no fundo da tua alma coloca, antes que nada, como fonte de energia e critério de verdade, tudo aquilo que te enche da paz de Deus.

Recorda: quanto te reprima e inquiete é falso. To asseguro em nome das leis da vida e das promessas de Deus.

Por isso, quando te sentires constrangido e triste...
Adora e confia...


(Por P. Teilhard de Chardin) 

imagem: oração de Taizé

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Apaga-me os olhos, ainda posso ver-te....

Chagall
Apaga-me os olhos, ainda posso ver-te. 
Tranca-me os ouvidos, ainda posso ouvir-te, 
e sem pés posso ainda ir para ti, e sem boca posso ainda invocar-te. 
Quebra-me os ossos, e posso apertar-te com o coração como com a mão, 
tapa-me o coração, e o cérebro baterá, 
e se me deitares fogo ao cérebro, 
hei-de continuar a trazer-te no sangue.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Sê inteiro


"Para ser grande, sê inteiro: nada
        Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
        No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda

        Brilha, porque alta vive." (Ricardo Reis)